VEJA BRASÍLIA

Nas Asas do Planalto

Por: Lilian Tahan | lilian.tahan@abril.com.br - Atualizado em

Sabe dirigir brasília?
Nas Asas do Planalto - 2392
Nas Asas do Planalto - 2392 (Foto: Michael Melo)
Zukko: levou os candidatos ao GDF para um rolé em seu possante (Foto: Michael Melo)

Na campanha com mais sabatinas e debates na história do Distrito Federal, só faltava os candidatos serem confrontados ao volante. Não falta mais. Daniel Zukko convidou os postulantes ao Palácio do Buriti para dar um rolé em seu possante amarelo. O carro, homônimo da capital e sucesso nos anos 70, é o cenário do projeto Minha Brasília, no qual Zukko entrevista personalidades da cidade. Na versão política do quadro, o autor inovou. Entregou a direção aos seus caronas. "A graça é descobrir se eles sabem dirigir Brasília", diz. A caminho de Taguatinga, Toninho do PSOL quase deixou a caranga morrer. Na disputa pela reeleição, Agnelo Queiroz (PT) preferiu dar uma volta no Plano Piloto, onde o asfalto está novo. Optou por um horário sem trânsito para não correr o risco de passar aperto. O primeiro programa, gravado com Rodrigo Rollemberg (PSB), foi ao ar na quinta 18 (youtube.com/minhabsb). Durante o percurso da Candangolândia ao Guará, o socialista advertiu: "Faz trinta anos que não pego uma Brasília". Embora distante da prática, até que ele conduziu com desenvoltura.

Salva pela literatura

Nas Asas do Planalto - 2392
Nas Asas do Planalto - 2392 (Foto: Roberto Castro)

Gisele: drama da filha virou livro recomendado até no Japão (Foto: Roberto Castro)

Numa época em que as pessoas estão tendo menos filhos, a educadora Gisele Gama pegou o contrafluxo dessa tendência. Depois de criar dois rebentos, ela adotou a menina Sara. A criação da caçula lhe abriu a porta para um novo universo, o da escrita. Ao notar que sua garota sofria com angústias herdadas de sua história antes da adoção, Gisele usou a literatura para salvar Sara. E a menina tornou-se personagem central de doze livros escritos pela mãe, doutora em língua portuguesa. Não demorou para a autora brasiliense perceber que as aflições de Sara eram sentimentos comuns a outras crianças. Assim, a coleção da escritora foi incluída na lista de material de várias escolas em Brasília. Mas as fronteiras do quadrado se tornaram pequenas para a mensagem de Gisele. E os livros dela foram adotados pela comunidade brasileira no Japão e em Singapura. "Lá, meninos e meninas passam por dificuldades de adaptação, assim como Sara", constata Gisele. Por experiência própria, a educadora ensina que a melhor forma de exorcizar seus medos é falar, e, claro, escrever sobre eles.

Ascensão fantástica

Nas Asas do Planalto - 2392
Nas Asas do Planalto - 2392 (Foto: Deco Rodrigues)

Poliana: no topo da cadeia global (Foto: Roberto Castro)

A notícia de que a jornalista Poliana Abritta apresentará o Fantástico, no lugar de Renata Vasconcellos, deu o que falar nos últimos dias. Há quem se pergunte sobre sua experiência como âncora. Mas a beleza de seus lindos olhos azuis é inquestionável. Com a ascensão ao programa dominical, ela pontua para o jornalismo candango. Trabalhará ao lado de Tadeu Schmidt, que, embora nascido em Natal, cresceu e estudou em Brasília. Os dois, aliás, fizeram faculdade juntos, no UniCeub. "Ele é um amigo querido e antigo", diz Poliana, que completou 40 anos na quinta (18). Mãe de trigêmeos, ela volta de Nova York para assumir o novo cargo em novembro.

Nas Asas do Planalto - 2392
Nas Asas do Planalto - 2392 (Foto: VEJA BRASÍLIA)
Nas Asas do Planalto - 2392
Nas Asas do Planalto - 2392 (Foto: VEJA BRASÍLIA)

Fonte: VEJA BRASÍLIA