Bebida

É a vez dele

Quatro endereços que oferecem drinques feitos com saquê

Por: Jennifer Detlinger - Atualizado em

Bebida sagrada para muitos japoneses, o saquê pegou carona na popularização dos restaurantes asiáticos por aqui e vem ocupando o espaço das cachaças e vodcas nas cartas de bebidas. Obtido por meio da fermentação do arroz, ele tem teor alcoólico que varia entre 13% e 16%, o que confere versões mais leves de drinques, a exemplo da caipirinha. Reunimos quatro endereços que incluíram no menu sugestões feitas com o saquê:

Balada Mix

BALADA MIX - Caipisake Morango_Foto_Felipe Menezes_002 (3)
(Foto: Divulgação/Felipe Menezes)

A carta da casa exibe versões da caipirinha feitas com saquê. A clientela pode escolher frutas como abacaxi, melancia, morango e maracujá. A combinação destas duas últimas custa R$ 16,90.

Oliver

Oliver_SakeMenta_Foto_Felipe Menezes_001
(Foto: Divulgação/Felipe Menezes)

Instalado no Clube de Golfe de Brasília, o restaurante de cozinha variada mantém paredes decoradas por obras de arte e ambiente rústico. Acomodados nas mesas de madeira, os clientes podem bebericar o drinque que leva calda de lichia, xarope de maçã verde (R$ 18,00) ou as caipirinhas (R$ 22,00) de limão, maracujá, lichia ou abacaxi - todas com saquê. 

Paradiso Cine Bar

PARADISO - Akira Kurosawa_Foto_Felipe Menezes_002 (3)
(Foto: Divulgação/Felipe Menezes)

Premiado pelo júri de Veja Comer & Beber no ano passado por  sua carta de drinques, o bar é famoso por elaborar receitas e drinques inspirados nos clássicos do cinema. O diretor japonês Akira Kurosawa batiza a combinação que leva saquê Jun Daiti, kiwi e sucos de limão e maçã (R$ 17,00).

Soho

SOHO_CaipiSake Morango_Foto_Felipe Menezes_002 (1)
(Foto: Divulgação/Felipe Menezes)

O bonito salão do restaurante japonês tem varanda e vista para o Lago Paranoá. No menu, aparecem sugestões de caipirinha de saquê (R$ 26,00) que levam frutas menos convencionais, a exemplo da lichia, tangerina, amora e cereja.

 

+ Aprenda a forma correta de servir e beber saquê

 

 

Fonte: VEJA BRASÍLIA